• Português
  • English
  • notícias

    Qual a diferença entre Antitranspirante, antiperspirante e desodorante?

    Qual a diferença entre Antitranspirante, antiperspirante e desodorante?
     
    O suor é composto por água (99%), sais e proteínas, e não possui cheiro. Entretanto, em nossa pele, existem bactérias que decompõem o suor, produzindo o odor desagradável.

    O desodorante têm a função de inibir o crescimento bacteriano na pele, pois possuem substâncias químicas, tais como o triclosan, mascarando assim o mal cheiro. Ou seja, como o próprio nome já diz: o desodorante serve para desodorizar, acabar com o odor.

    E os antitranspirantes e antiperspirantes?

    A função dos dois é a mesma, bloquear a saída do suor pelo ducto da glândula sudorípara. O principal componente dos antiperspirantes e antitranspirantes são os sais de alumínio, e são eles que bloqueiam a saída de suor. Quanto maior a concentração desse ativo, maior é a eficácia do produto, porém maior chance de desenvolver irritação e inflamação da glândula. Por isso alguns pacientes não toleram o uso destes produtos. Tanto os desodorantes quanto os antiperspirantes/antitranspirantes podem ser usados na forma de creme, aerosol, spray, roll on e stick, e na escolha do veículo adequado deve-se levar em consideração o perfil do paciente e seus hábitos.

    Qual o melhor horário de aplicação?

    O melhor horário é à noite na pele limpa e seca, pois as glândulas sudoríparas são menos ativas enquanto você dorme, o que permite que o produto fique em contato com a pele durante toda a noite.

    Alimentos condimentados, álcool, cafeína e nicotina são substâncias que aumentam a transpiração, e em pacientes que tem sudorese excessiva devem ser evitados.

    Importante! Há alguns anos atrás foi divulgado na mídia que os antiperspirantes/antitranspirantes, que contêm os sais de alumínio, estariam causando câncer de mama em mulheres, onde os sais de alumínio poderiam estar sendo absorvidos e se acumular no organismo, porém em uma nota da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), divulgou um parecer técnico que até o momento não existe comprovação científica para essas alegações.

    Além disso, pacientes que apresentem excesso de sudorese, podem ser tratados com a aplicação da toxina botulínica, com muito sucesso e conforto.

    Deixe seu comentário