• Português
  • English
  • notícias

    Climatério e menopausa: impactos na pele e tratamentos dermatológicos

    Climatério e menopausa: impactos na pele e tratamentos dermatológicos
     
    Menopausa é o nome que se dá à última menstruação da mulher, que normalmente ocorre entre 45 e 55 anos de idade. O período que antecede a menopausa é o climatério, em que surgem sintomas como “fogachos” (ondas de calor), ressecamento vaginal, alterações de humor, insônia e perda de libido devido a alterações hormonais – principalmente queda nas concentrações de estrogênio e progesterona.
     
    Essas alterações hormonais do climatério também têm efeitos na pele, nos cabelos e nas unhas. A redução nos níveis de estrogênio diminui a produção de elastina e colágeno, proteínas responsáveis pela elasticidade e firmeza da pele. Com isso, costuma haver aumento da flacidez de pele e surgimento de rugas mais profundas durante a pré-menopausa. Nos primeiros anos após a menopausa, a produção de colágeno cai mais drasticamente, chegando a uma perda de 30%. Além disso, o climatério provoca uma redução nas secreções das glândulas sebáceas e sudoríparas, o que causa ressecamento da pele e propicia o surgimento de linhas de expressão.
     
    Cabelos, pelos e unhas também podem ficar mais opacos e quebradiços, enquanto o aumento do hormônio masculino testosterona pode ocasionar o surgimento de pelos na face, principalmente no queixo e buço.
     
    Uma alimentação balanceada e rica em minerais, vitaminas, ferro e cálcio, a prática regular de atividade física e o controle do estresse são fundamentais para a saúde da mulher no climatério, atenuando também os impactos na pele. Além do médico ginecologista, o acompanhamento no dermatologista é importante – não só por questões estéticas, mas para manter a saúde da pele.
     
    Com base na avaliação diagnóstica, o médico dermatologista pode traçar um tratamento que leve em conta as características de cada paciente, incluindo: nutracêuticos, complementos de vitaminas e minerais orais ou tópicos que ajudam a nutrir a pele e a combater os radicais livres; hormônios tópicos, como estriol, para manter o viço; cosméticos específicos para hidratação, proteção e antienvelhecimento; e procedimentos ambulatoriais.
     
    Os tratamentos antienvelhecimento no consultório dermatológico incluem uma variedade de soluções, a depender das características e dos objetivos de cada paciente. Alguns exemplos são a injeção de toxina botulínica, o Botox, que atenua rugas e marcas de expressão; o preenchimento cutâneo com ácido hialurônico, que melhora o relevo e a hidratação da pele; e os peelings químicos, indicados para atenuar manchas e promover a renovação celular da pele.
     
    Um tratamento que promove todos esses benefícios ao mesmo tempo é a laserterapia em quatro dimensões do Fotona: sua combinação de lasers melhora o relevo, a textura e o contorno do rosto, pescoço e colo, além de promover a produção de colágeno durante meses após o procedimento. A tecnologia Fotona também faz minilifting, procedimento que reduz a flacidez da pele e “levanta” o rosto, e laserlipólise, que reduz a gordura localizada de maneira eficaz e segura. Além disso, o Fotona tem uma aplicação importante para muitas mulheres na menopausa: tratamentos íntimos com o laser Erbio, que promovem uma melhora do tônus e da sustentação vaginal, reduzindo a incontinência urinária e aumentando bastante a qualidade das relações sexuais.
     
    Aos primeiros sinais do climatério, é muito importante consultar o ginecologista e também o dermatologista, que vai preparar a pele para as mudanças que estão por vir. Se você está passando ou já passou pelo climatério e está sentindo seus efeitos na pele, agende uma consulta.
     

    Deixe seu comentário